São Paulo entra forte na briga com Flamengo por Éverton Ribeiro

São Paulo vê o Flamengo à frente nas negociações para contratar Éverton Ribeiro, do Al Ahli, dos Emirados Árabes Unidos. O Rubro-Negro abriu conversas antes e considera o acordo encaminhado. Ciente disso, o Tricolor sempre enxergou o clube carioca um passo adiante desde o início, mas crê na vontade do jogador de atuar no Morumbi para conseguir um desfecho positivo.

Outra negociação do São Paulo em andamento é para comprar os direitos de Fernando Bob, volante do Internacional e emprestado para a Ponte Preta.

Mesmo com os cariocas à frente, o São Paulo julga ter chances de conseguir a contratação. Mas o acerto é complexo. Éverton Ribeiro, aliás, é um desejo antigo de Rogério Ceni. O clube consultou a situação do jogador no início do ano, mas ouviu pedidas fora da sua realidade financeira.

Agora, o próprio atleta deseja retornar ao futebol brasileiro para voltar a ter espaço na seleção brasileira. E o Tricolor crê que o meia de 28 anos teria mais chances de destaque no Morumbi do que no Flamengo, onde Diego é o principal articulador e só está fora no momento por conta de uma lesão. E ainda tem Conca para estrear…

O São Paulo busca um meia criativo diferente dos que têm hoje no elenco. Cueva, principal jogador no início da temporada, com sete gols e quatro assistências, caiu de produção. Além disso, o reforço acertado para substituir o peruano foi Thomaz, de 30 anos, mas ele não supriu essa carência.

Desde antes de fechar com o jogador ex-Jorge Wilstermann a intenção era ter Éverton Ribeiro, mas o entrave financeiro e a falta de tempo para inscrição de atletas no mata-mata do Paulista barraram a tentativa tricolor.

Nas últimas semanas, Éverton Ribeiro fez consultas a pessoas do mercado da bola para saber qual é a situação financeira do São Paulo. Nesta semana, o clube ganhou reforço nos cofres ao fechar o patrocínio com o Banco Intermedium e a MRV Engenharia, empresas do mesmo grupo que estamparão as marcas no peito, costas e omoplata do uniforme.

O aporte será de R$ 42 milhões por um vínculo até junho de 2020. A instituição financeira ajudou o Tricolor a viabilizar a contratação de Pratto, com as garantias bancárias para a negociação.

A parceria também poderá beneficiar o Tricolor em outros aspectos, como por exemplo evitar gastos de ações estruturais. Está na pauta a ideia de a patrocinadora bancar reformas de vestiários dos CTs da Barra Funda, Cotia e Morumbi, além da identidade visual externa e os portões de acesso do estádio.

Por GLOBO ESPORTE