Ex-técnico de Trauco diz que o Flamengo contratou um Marcelo

Roberto Chale era o camisa 7 de uma baita seleção do Peru. Em 14 de junho de 1970, o meia foi eliminado pelo Brasil, de Carlos Alberto Torres, Gérson, Jairzinho, Rivellino, Tostão e Pelé, nas quartas de final da Copa. “Eu tenho orgulho de dizer que fomos o único país que fez dois gols no Brasil em uma mesma partida naquele Mundial”, gaba-se Chale, aos 70 anos, em entrevista por telefone ao blog, de Lima, no Peru. Se deixasse, Chale relembraria com detalhes o histórico confronto de 1970. Mas o assunto era outro: Miguel Trauco.

Primeiro reforço do Flamengo para a temporada de 2017, o lateral-esquerdo de 24 anos era comandado por Roberto Chale em seu último clube — o Universitario, do Peru. Chale conhece Miguel Trauco como poucos. Praticamente descobriu o niño. Viu o pupilo ser eleito o melhor jogador do último Campeonato Peruano atuando na função de meia. E surpreende sem gaguejar do outro lado da linha: “Trauco é melhor do que Marcelo, o consagrado lateral do Real Madrid”.

Aqui, de Brasília, pensei ter ouvido errado e questionei Roberto Chale: Trauco é melhor do que Marcelo? “Sim, vocês vão se surpreender com ele. Marcelo é um 10, mas no Real Madrid tem que jogar de lateral-esquerdo. No Universitario, fiz o inverso, usava Trauco como 10 para explorar todo seu potencial. Ele joga e marca. Se você puder, assista novamente ao jogo entre Peru e Brasil na Copa América. Trauco anulou Daniel Alves. Isso não é pouco”, exalta o experiente treinador, referindo-se à vitória peruana por 1 x 0 na terceira rodada da fase de grupos da Copa América Centenário dos Estados Unidos.

Roberto Challe conta que pinçou Trauco em uma visita à província de Nueva Cajamarca. “Ficamos encantados. Nós vimos potencial nele primeiro como lateral-esquerdo. Depois, como um meia avançado pela esquerda, ofensivo. São duas características que o Flamengo pode explorar. Ele se destacou tanto que chegou a ser convocado pelo ex-técnico do Peru (o uruguaio Pablo Bengoechea) para um amistoso contra a Inglaterra, em Wembley”, lembra.

“Ficamos encantados. Nós vimos potencial nele primeiro como lateral-esquerdo. Depois, como um meia avançado pela esquerda, ofensivo. São duas características que o Flamengo pode explorar. Ele se destacou tanto que chegou a ser convocado pelo ex-técnico do Peru (o uruguaio Pablo Bengoechea) para um amistoso contra a Inglaterra, em Wembley”

Roberto Chale, técnico de Trauco no Universitario, onde ele foi eleito o melhor jogador do último Campeonato Peruano atuando como meia

O técnico do Universitario conta o quanto ficou feliz com o reforço. “Eu o trouxe para o Universitario e ele respondeu às mil maravilhas tanto como lateral quanto como meia aberto pela esquerda. Eu asseguro: conheço Trauco tecnicamente, taticamente, ele vai se destacar no futebol brasileiro. A torcida vai gostar dele”, reforça.

Roberto Chale revela que é colega de Jayme de Almeida, auxiliar do técnico Zé Ricardo, e se coloca à disposição dos colegas para dar todas as informações possíveis sobre Trauco. Antes de desligar, elogia duas virtudes do pupilo. “Trauco cruza muito bem. Quando estiver em campo, vai dar muitas assistências para Paolo Guerrero. Espero apenas que ele não sinta o peso de jogar numa posição em que o Flamengo teve o Júnior. Sou admirador do Júnior”.

Além de Roberto Chale…
Leia o que escreveu para o blog o repórter Gustavo Peralta, do diário Líbero, setorista do Universitario, sobre Miguel Trauco

Nacido en la calurosa ciudad de Tarapoto y con 25 años, Miguel Trauco explotó. Estalló su fútbol, su buen toque con esa zurda prodigiosa y cerró su fichaje a nada más y nada menos que al Flamengo, el club con más hinchas en el mundo. “Me voy al país de los laterales y el reto es mayor, pero mi convicción siempre me permitió lograr grandes cosas. Voy a triunfar”, dice el lateral izquierdo cuando se le consultó por esta nueva aventura que emprenderá a Río de Janeiro.

El “Genio”- así lo apodan- es un jugador exquisito en el buen sentido de la palabra.  Pasemos a desnudar sus cualidades: Se proyecta con criterio, siempre con la pelota pegada al pie; los centros, las roscas, son su especialidad. Siempre el centro es un pase al delantero de turno. Su zurda es como un guante. A esto hay que sumarle la técnica que tiene para sacarse a los rivales de encima. Es más, no solo es carrilero, en sus inicios fue enganche, “10”, y así jugó muchos partidos en Universitario, club dónde le valió tan sólo 1 año para demostrar su valía.

El factor selección es otro punto a favor. Ricardo Gareca, técnico de la selección peruana, apostó por él en la Copa América Centenario y colmó las expectativas. “Yo le agradezco mucho al profesor Gareca por las buenas recomendaciones que dio de mí cuando el técnico de Flamengo lo llamó”, agrega emocionado Trauco.

El peruano parece no tener techo, es el mejor valor que ha salido del fútbol peruano, se llevan a un crack, y lo mejor es que por su casa cabeza, todo el día, solo pasa una cosa: fútbol.

Fonte: blogs.correiobraziliense.com.br